MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Nova Certificação MCSD–Metro Style Apps Using HTML 5 / C#

Dando sequencia as novas certificações, agora temos a atualização do MCSD que centraliza em aplicações com HTML 5 que é atualização da MCSD Web Applications e a Apps com C# que é a atualização do MCSD Windows Developer.

image

Para upgrade também já foi definida a grade:

image

Fonte: http://www.microsoft.com/learning/en/us/certification/mcsd-windows-metro-style-apps.aspx

Posted: jun 05 2012, 17:46 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Certificação

Windows Server 2012 RC–Novas Informações e Comparação com VMWare 5.0

O documento disponivel em http://t.co/xFN3F4du mostra o comparativo entre as duas plataformas e mostra as novas informações do Windows Server 2012 agora no Release Candidate.

Entre essas informações uma tabela mostra o quanto foi melhorado o Windows Server 2012 contra o Windows Server 2008 R2:

image

Destaque para o numero de processadores e memória física, alem dos números de nós em Clusters.

A segunda tabela é o comparativo entre os limites do RC com o ESXi 5.0 e vSphere Enterprise Plus:

image

Destaque para o dobro de memória RAM e processadores, tanto no host quanto nas VMs.

Para baixar o Windows Server 2012 Release Candidate e o Windows 8 Release Preview acesse o site de downloads do TechNet em http://technet.microsoft.com/en-us/bb403698

Posted: jun 01 2012, 20:36 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Filed under: Windows 2012

Divulgadas certificações MCSA e MCSE para Windows 2012

Hoje foram liberadas as informações sobre as certificações MCSA (Microsoft Certified Solution Associate) e MCSE (Microsoft Certified Solution Expert) para Windows 2012, integrando com as de SQL e Private Cloud já existentes http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/Certificacoes-Microsoft-Renovadase28093Entenda-o-que-Mudou-e-Aproveite-a-Promocao-2x1.aspx

Caso queira uma lista de todas MCSAs e MCSEs atualizadas, utilize os links:

No caso das certificações MCSA e MCSE Windows 2012 é interessante que a migração não será possivel para quem já é MCITP. Na prática pouco importa se você for MCTS em Windows 2012 ou MCITP pois o exame de upgrade é o mesmo:

image

Curiosidade: Porque Lync, SharePoint e Exchange entram como elegiveis para o upgrade?   Porque para estas certificações o conhecimento de AD e servidor é parte integrante, apesar de não ser o foco único.

Apenas após o exame 417 será possivel continuar para as outras certificações MCSE Desktop e Server Infrastrucutre:

image

image

Já estão disponiveis (na data em que escrevi este post) o conteudo dos exames 411 e 412 para o MCSA: Windows 2012 sendo que a liberação está prevista para setembro deste ano. O restante dos exames irá sendo liberado e atualizo este post:

Posted: jun 01 2012, 11:01 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Case do Hospital Albert Einstein de SCCM 2012–Evento de Lançamento do System Center 2012

Na ultima sexta feira (18/05/2012) foi realizado o lançamento do System Center 2012 no Brasil, cerca de um mês após o lançamento nos EUA durante o MMS 2012 em Las Vegas (http://www.marcelosincic.com.br/blog/post/MMS-2012e28093Novidades-Importantes-e-Assista-o-Evento-Online.aspx).

O link para a gravação do evento, dividido em duas partes está disponivel em http://systemcenter2012.cloudapp.net/Home.aspx

Nesta sexta feira foram liberados os videos do evento, onde na parte 1 tivemos as apresentações do pessoal da Microsoft com “demo shows”, destacando as funcionalidades dos produtos System Center 2012, que agora são uma unica suite de produtos.

Na segunda parte tivemos as apresentações de parceiros, sendo a Dell a primeira destas, onde o apresentador durante cerca de 20 minutos falou sobre como as tecnologias e servidores Dell se integram ao System Center.

Na sequencia apresentamos o case do Hospital Albert Einstein, conhecido internacionalmente como um dos melhores hospitais do mundo e um dos maiores da américa latina junto com o Gerente de TI Leandro Cruz.

Alguns números do HIAE:

  • 10 mil funcionários
  • 400 servidores
  • 300 Terabytes de Dados
  • 4700 desktops
  • 200 workstations
  • 200 notebooks

O principal desafio do HIAE era conseguir migrar maquinas XP para Windows 7, projeto que só poderá começar em novembro quando o principal software de gestão hospitalar será compatiblizado para Windows 7. Com o SCCM 2012 automatizando o processo será possivel cumprir com o cronograma apertado, tendo em vista o final do suporte do XP.

O portal de aplicações do SCCM 2012 permitirá ao hospital disponibilizar aplicações aos seus usuários sem a intervenção manual ou abertura de chamados como ocorre hoje, o que envolve um time de fields e helpdesk consideravel levando em conta as mais de 11 localizações em que o HIAE possui hospitais e clinicas.

Com as funcionalidades de gerenciamento de energia do SCCM 2012 o HIAE passa a poder configurar de forma centralizada os perfis de energia, alem de contar com poderosos relatórios de consumo de CO2, consumo diário e mensal, bem como relatórios de “insônia” onde o SCCM 2012 mostra maquinas com problemas de hibernação por conta de hardwares incompativeis.

Por fim, destacamos a funcionalidade de Asset Intelligence do SCCM 2012 onde o HIAE poderá contar com dados atualizados de uso e instalações de softwares, e com isso gerenciar licenciamento de forma eficiente e economica, priorizando o que é mais usado e as aplicações que possuam alternativas mais economicas.

 

Posted: mai 25 2012, 15:56 by msincic | Comentários (2) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

DPM 2012 com Failover Cluster para Hyper-V

Uma das novas features que o DPM 2012 traz a possibilidade de fazer o backup das VMs que estão no storage CSV de um cluster por utilizar os recursos de snapshot do próprio storage.

Isso é um grande avanço por dois motivos:

  1. O storage tem uma performance superior na criação do snapshot pois é nativo e ocorrendo no nivel dos bits a serem copiados e não no sistema de arquivos como acontece com os snapshots criados pelo VSS do Windows
  2. Com o snapshot sendo realizado pelo storage, não ocorrem os Redirect Access no cluster e nem os erros de CSV sendo acessado simultaneamente como acontece com backups paralelos de diferentes VMs.
    Ou seja, com o snapshot por hardware podemos criar jobs de backup das VMs que sejam simultaneos

Porem, na maioria dos storages não são deixadas alocações para snapshots, o que irá gerar no Event Viewer do host em que o backup foi efetuado um erro de falta de espaço suficiente para gerar um snapshot.

Nestes casos o ideal seria reformular o espaço das LUNs alocando para snapshot espaço suficiente para a cópia do maior dos backups existentes, já que o snapshot é apagado pelo DPM após o término da cópia. Também é necessário permitir aos hosts realizar os snapshots, como mostra a imagem abaixo da configuração de um EqualLogic:

clip_image002

Por outro lado, se não houver espaço livre para o snapshot mas este for um recurso que exista no storage que esteja utilizando, a opção é desativar o serviço de snapshot do kit de integração, como visto abaixo no HIT Kit do EqualLogic:

clip_image002

Caso precise de mais informações, acesse o link http://technet.microsoft.com/en-us/library/hh758090.aspx

Posted: mai 02 2012, 23:52 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 0/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Login
Marcelo de Moraes Sincic | Azure File Sync–Otimizando seu File Server e Storage
MVP: System Center Cloud and Datacenter Management, MCT, MCSE, MCITP, MCPD, MCDBA
MVP Logo

Últimos posts

Categorias

Arquivo

Tags

Azure File Sync–Otimizando seu File Server e Storage

Duas aplicações mais consomem storage em ambientes de TI:

  • Banco de dados – Por conterem dados analiticos e indexados podemos utilizar tecnicas de drill down para separar os dados analiticos dos dados resumidos facilitando o acesso e otimizando custos
  • File Server – Ao longo dos anos as empresas acumulam milhares de arquivos, o que custa caro e raramente é agrupado ou tierizado

Tierização: Tecnologia onde os dados são separados conforme regras de performance em discos mais caros ou mais baratos. Por exemplo, arquivos pouco usados ficam em discos SATA, arquivos com acesso ocasional em discos SAS e arquivos que são acessados diariamente em discos SSD.

Vamos abordar como utilizar o Azure File Sync para criar uma tierização dos dados em um File Server para permitir que arquivos mais acessados fiquem localmente guardados e os mais antigos apenas em nuvem.

Cenários Frequentes

O primeiro cenário é o de diminuir o tamanho total de espaço ocupado por arquivos antigos.

Nesse caso utilizamos as configurações de data do arquivo e espaço livre desejado para diminuir o espaço em disco que o File Server ocupa, liberando para uso com outras necessidades.

O segundo cenário é servidor de arquivos distribuidos, onde em cada filial da empresa é necessário ter um servidor para acessar os dados.

Nesse exemplo todos os servidores replicam a mesma pasta, o que não cria problemas de saturação local, já que o cache é apenas dos arquivos recentes e controlado pelo percentual desejado de espaço livre a ser mantido.

Componentes do Azure File Sync

  1. Storage Account – Um storage virtual onde os dados serão armazenados
  2. File Share no Storage Account – Pasta dentro do Storage Account para receber os arquivos que serão enviados
  3. Azure File Sync Service no Market Place – É o serviço e deve ser habilitado, diferente de outros serviços nativos. Porem, apesar de estar no Market Place o AFS não tem um custo, trata-se apenas da inclusão de um serviço
  4. File Sync Service – É o serviço no painel do Azure onde podemos criar os grupos, incluir os servidores e configurar storage
  5. Registered Services (servidores) – São os servidores que serão sincronizados, onde os arquivos estão armazenados e servirão de cache
  6. Sync Group – Forma a lista de servidores que irá receber a cópia dos arquivos a serem copiados e dar acesso aos arquivos em qualquer localidade

Criando um Storage

Esse é o primeiro passo e bem conhecido de quem já utiliza o Azure, uma vez que para tudo precisamos de um storage.

armazenamento

Para usar o AFS não é necessário qualquer configuração adicional, você poderá escolher qual região, tipo de storage e replicação que melhor se aplique ao seu ambiente. Obviamente algumas coisas precisam ser levadas em conta:

  • O tipo de conta envolve a performance maxima e irá afetar tanto o download quanto upload quando os usuários utilizam os arquivos
  • Replicação é importante se você terá servidores em várias localidades/paises
  • Camada Hot or Cold envolve a performance diretamente e tambem o custo, já que o acesso é bem lento em discos Cold e não recomendaria para uma solução como essa

Na sequencia é necessário criar o File Share para onde os arquivos irão quando sincronizados, e o conceito é o mesmo de um servidor comum:

compartilhamento

Quando sincronizado, os arquivos irão aparecer primeiro na pasta Sincronization e depois na pasta principal como podemos ver abaixo.

syncstaging

Files Sync

Lembrando que as duas telas acima se referem a sincronização já finalizada, a primeira para ver os arquivos sendo copiados e a segunda quando a primeira sincronização já finalizou.

Habilitando o Azure File Sync

Procure no Marketplace pelo Azure File Sync ou Serviço de Sincronização do Azure em portugues:

mktplace

mktplace-2

Nesse momento pode-se optar por utilizar um Resource Group existente ou um novo, não importando em qual Resource Group o Storage foi criado, uma vez que ele pode ter varios outros serviços atribuidos.

Criando o Serviço de Sincronização

A criação do grupo de sincronização é bem simples, bastante indicar a assinatura, storage e a pasta compartilhada definida anteriormente.

Servico

grupo sincronizacao

Registrando Servidores de Arquivos

Você poderá indicar servidores:

  • Novos servidores que não tenham arquivos e incluí-los em um grupo já sincronizado para que ele sirva de cache dos arquivos que já estão na pasta compartilhada do Storage no Azure
  • Servidor com dados onde o conteudo será copiado para o Azure e acrescentado

O primeiro passo é instalar as bibliotecas PowerShell do Azure (AZ) no servidor, o que pode ser feito seguindo os passos na página https://docs.microsoft.com/pt-br/powershell/azure/install-az-ps?view=azps-2.6.0&wt.mc_id=4029139

Após ter o Azure CLI instalado, baixe e instale o Agente de Sincronização que é muito simples de ser feito.

AZFAgente

registerserver

Após isso, já será possivel ver o servidor no painel do Azure:

serverregistrado

Nesse passo não é necessário configurações nem qualquer definição adicional, já que se trata de uma operação simples de agente.

Criando o Endpoint (Servidores Cache)

Aqui é onde realmente criamos o serviço e vemos a mágica acontecer!

Entrando dentro do grupo de sincronização que criamos anteriormente e usar a opção Adicionar ponto de extremidade ou Add Endpoint para incluir o servidor no grupo que criamos.

Extremidade

Vamos ver as opções que estão listadas:

  1. Caminho – É o diretório que queremos que fique sincronizado, lembrando que se estiver vazio para um grupo já existente ele irá baixar o conteudo conforme for sendo utilizado. Se for um servidor que já contem arquivos, esses serão carregadso para o Azure.
    Importante: Não é possivel usar a unidade root (C:) e sim um disca parte por conta dos arquivos de sistema.
  2. Percentual livre no volume – Não definimos quanto irá ser usado para cache e sim quanto de espaço no volume deverá ficar livre. Pode parecer um calculo invertido mas não é por conta de outros arquivos que o mesmo disco contenha. Por exemplo, se o volume é de 100GB e contem outros arquivos totalizando 40GB e definirmos que queremos deixar 50% do disco livre, apenas 10GB será usado pelo cache (50% de 100GB=50GB sempre livre) e conforme o uso de outros arquivos aumentar que não sejam sincronizados, menos irá ter espaço para o cache.
    Dica: Por conta dessa dificuldade, prefira utilizar um volume dedicado para fazer o File Sync
  3. Cache apenas de arquivos acessados ou modificados a x dias – Vimos que temos a opção de preservar um percentual do disco. Mas e se arquivos antigos ocupam muito espaço não irá adiantar muito. Nesse caso do meu exemplo qualquer arquivo com mais de 60 dias irá automaticamente para o Azure e será deletado no disco do servidor, ganhando espaço livre mesmo que o percentual de cache ainda esteja disponivel.

Painel

Ao finalizar essa configuração já é possivel acompanhar a sincronização clicando no servidor:

Server sync

Assim que sincronizado, podemos usar os paineis de metricas abaixo da tela para criar alertas quando ocorrerem erros ou distorções:

Metricas

No meu exemplo posso utilizar uma regra que se o numero de arquivos sincronizados for maior que 100 para upload no intervalo de 15 minutos pode ser uma alteração em massa causada por uma cópia indevida ou mesmo um malware.

Posted: ago 28 2019, 19:29 by msincic | Comentários (0) RSS comment feed |
  • Currently 5/5 Stars.
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
Os comentários estão fechados
Login